01 junho, 2008

A última VISITA de Pais Maus.

..Estive enfermo, e me visitastes." (Mateus25:36)
Estas são palavras de Jesus Cristo. O Senhor tinha acabado de contar as parábolas das "Dez Virgens" e a "Dos Talentos", prosseguindo o seu discurso sobre a vida eterna e o castigo eterno. No meio da sua mensagem, aparece o versículo, em tópico, proferido pelo Rei. Além de outras atitudes, provenientes de amor fraternal, exaradas no texto sagrado donde retirámos a citação acima referenciada, os que ouviram: "...estive enfermo, e me visitastes..." -surpreenderam-se. Lemos mais na Bíblia: "Então perguntarão os justos: Senhor, quando ...te vimos enfermo (...) e fomos ver-te?" (Mt 25:38).
O texto Bíblico é profundo, Jesus está falando do juízo final (Mt 25:31-46). Encontramos aqui, também, deveres sociais, e mais do que isso, sensibilidade humana e compaixão.
'A verdadeira prova de nossa crença é a maneira como agimos. Tratar todas as pessoas que encontramos como se fossem o próprio Senhor Jesus não é uma tarefa fácil. O que fazemos aos outros demonstra o que realmente pensamos a respeito das palavras do Mestre para nós: (...) - cuide dos doentes". '
"Estas atitudes não dependem de nossa riqueza, habilidade ou inteligência, são simples, podem ser postas em prática no dia-a-dia e são sempre bem recebidas. Não existem desculpas para negligenciarmos aqueles que possuem grandes necessidades; não podemos eximir-nos desta responsabilidade diante da Igreja e do governo. Jesus exige nosso envolvimento pessoal para ajudar a suprir as necessidades dos semelhantes. (Is 58:7)"'
O Pr. Carlos Baptista, nosso querido irmão na fé e amigo, adoeceu gravemente. Essa doença, desgastou-o imenso, e por consentimento do Senhor Jesus, este dilecto companheiro - que muita saudade me deixou - foi promovido à Glória no dia 18 de Maio último. Poucos dias antes, a esposa comunicou-me que ele desejava que eu o visitasse. Lá fui, como antes. Esclareço: as visitas, nesta altura, não eram aconselhadas, dada a situação. Estava próximo o dia da sua operação, uma cirurgia de alto risco a que este querido irmão, e inesquecível amigo, ia ser submetido. E foi, no dia 14.
"Olá, amigo, que saudade que eu tinha de falarmos um pouco me, em saudação, com voz Olhei-o, emocionado, mas poder visitá-lo, não obsta debilidade.
Como sempre, Carlos, expondo-me o que desejava :'-o Senhor, quando saísse do Tinha "alguns pensamos informou-me. O tema, onde I minha colaboração, (como vezes) era: Visitação.
O Pastor Carlos estava cansado. Despedirmo-nos.
Quando saí, dessa curta pensava com os meus botões: razão que levou Carlos Bar pensar no tema "visitação"? referiu-me, ainda, que isto seria de abrangência nacional. Nacic
Carlos, nada mais me pôde j Ficou a bailar na minha alma o c tempo que o pastor viveu no não foi pouco nem fácil, saber testemunhámos. Os dias passando. Meditei. Orei.
A Palavra de Deus soas1 solenemente: - "E, quando te enfermo e fomos ver-te?"- Mas Jesus, explicou: - "Quando o fiz um destes meus pequeninos ir mim o fizestes."
Os estudiosos da Bíblia têm interpretações sobre "estes pequeninos irmãos". De uma coi tenho dúvidas, eu tinha acaba visitar "um pequenino irmão d Jesus".
Ontem, através do meu filho mais novo, veio parar-me às mãos um texto distribuído às crianças do ATL que ele frequenta.
Confesso que costumo ler os diversos papéis que me mandam das diversas escolas dos meus filhos, na diagonal, mas, curiosamente, a este, li-o de fio a pavio.
Como não vinha assinado, não tenho maneira de pedir autorização ao autor para o publicar, mas parece-me que o que importa a quem o escreveu é que chegue ao maior número de pais possível.
Vale a pena lê-lo. Deus abençoe os pais maus!
Um dia, quando os meus filhos forem crescidos o suficiente para entenderem a lógica que motiva um pai, eu hei-de dizer-lhes:
-Amei-vos o suficiente para ter insistido para que juntassem o vosso dinheiro e comprassem uma bicicleta, mesmo que eu tivesse possibilidades de a comprar.
-Amei-vos o suficiente para ter ficado em pé junto de vós, duas horas, enquanto limpavam o vosso quarto - trabalho que eu teria realizado em quinze minutos.
-Amei-vos o suficiente para vos obrigar a pagar a pastilha que "tiraram" da mercearia e dizer ao dono: eu roubei isto ontem e hoje queria pagar.
-Amei-vos o suficiente para ter ficado em silêncio, para vos deixar descobrir que o vosso amigo não era boa companhia.
-Amei-vos o suficiente para vos deixar assumir a responsabilidade das vossas acções, mesmo quando as penalizações eram tão duras que me partiam o coração.
-Amei-vos o suficiente para vos ter perguntado: onde vão, com quem vão e a que horas regressam a casa.
-Amei-vos o suficiente para vos deixar ver fúria, desapontamento e lágrimas nos meus olhos.
-Mas, acima de tudo, eu amei-vos o suficiente para vos dizer NÃO, quando sabia que me iriam odiar por isso.
Estou contente. Venci, porque no final vocês também venceram. E qualquer dia, quando os vossos filhos forem suficientemente crescidos para entenderem a lógica que motiva os pais, vocês irão dizer-lhes, quando eles vos perguntarem, se os vossos pais eram maus, que sim, que eram os piores pais do mundo, porque:
-Enquanto os outros miúdos comiam doces ao pequeno-almoço, nós tínhamos que comer cereais, tostas e ovos.
-Os outros miúdos bebiam Pepsis ao almoço e comiam batatas fritas, enquanto nós tínhamos que comer sopa, prato e fruta. E não vão acreditar! Os nossos pais obrigavam-nos a jantar à mesa, o que era bem diferente dos outros pais.
-Os nossos pais insistiam em saber onde nós estávamos a todas as horas, era quase uma prisão. Tinham que saber quem eram os nossos amigos e
o que fazíamos com eles.
-Insistiam em que lhes disséssemos que íamos sair mesmo que demorássemos só uma hora, ou menos.
-Nós tínhamos vergonha de admitir mas eles violaram uma data de leis do trabalho infantil: nós tínhamos que < fazer as camas, aspirar o chão, lavar; loiça, aprender a cozinhar, engomar z nossa roupa, ir despejar o lixo e todo o tipo de outros trabalhos. Eu acho que eles nem dormiam, a pensar em mais coisas para nos mandar fazer.
-Eles insistiam connosco para lhes dizermos a verdade, e apenas toda a verdade, sempre a verdade.
-Na altura da nossa adolescência eles conseguiam ler os nossos pensamentos o que tornava a vida mesmo chata.
-Os nossos pais não deixavam os nossos amigos buzinarem para nós descermos. Tinham que subir, bater à porta para eles os conhecerem.
-Enquanto toda a gente podia sair com doze ou treze anos, nós tivemos que esperar pelos dezasseis.
-Por causa dos nossos pais, nós perdemos experiências fundamentais da adolescência.
Foi tudo por causa deles.
Agora que já saímos de casa, somos adultos, honestos e educados, estamos a fazer o nosso melhor para sermos "maus pais" tal como os nossos pais o foram.
Eu acho que este é um dos males do mundo de hoje: não há suficientes maus país.

Autor do texto Bíblico
Torcado Lopez

5 comentários:

Eduardo Neves disse...

Paz do Senhor Jesus;
meu querido irmão foi um prazer receber seu comentário em um de meus blogs (http:eduneves.blogspot.com--http://panoramateologico.blogspot.com), sou filho de portugueses e tenho sofrido por meus familiares que aí estão (presos à idolatria). Tenha certeza que o irmão tem uma grande missão nesta terra, e que o povo português precisa de profetas intrépidos como foi Jeremias. Prossiga rumo ao alvo, liberte cativos que o Senhor é contigo!
"Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não temas, nem te espantes; porque o SENHOR teu Deus é contigo, por onde quer que andares." Js 1:9

Que Jesus nosso Deus e Salvador te abençoe. Amém.
Eduardo Neves.

Paulo Silvano disse...

Caro Pedro Aurélio,
Esporádicamente visito o seu blog. Tem sido muito bom apreciar os conteúdos edificantes postados por você.

Um abraço,
Paulo Silvano

pedro aurelio disse...

Paz do Sr. meu querido irmão.
Desde já quero agradecer a sua visita ao meu blog , o qual me deixa muito contente .
Muito obrigada por o irmão gostar dos textos que estão exposto no meu blog , o qual me deixa muito contente a mim e os autores dos textos .
A minha ideia e poder levar o evangelho o mais longe possível para que as pessoas possa ler o que Deus e muito bom mesmo e vala a pena viver com ele muito que sejas as lutas na nossa vida .
Um abraço deste irmão em Cristo Jesus

Teo Jornalista disse...

Olá, irmão Pedro. Como vais? Em primeiro lugar, gostaria de agradecer de todo coração pela sua visita ao meu diário virtual e dizer que estou à tua disposição, que podemos nos unir em prol do fortalecimento do corpo de Cristo na internet. Desde já, vinculei teu blog ao meu, e espero que faças o mesmo com o meu. Um grande abraço de quem está a muitas milhas marinhas de distância, mas que percebe em ti o amor Daquele por meio de quem somos mais que vencedores. Assim seja!

* Suponho eu que sejas lisboeta, se não, peço-te que me perdoes pela

Pedro Aurelio a disse...

Irmão estou disposto a fazer o que for preciso para o fortalecimento da palavra de Deus pela Inter net .
Irmão pode estar descansado que vou o link ar no meu blog , e quero agradecer o ter feito no seu blog muito Obrigada .
Vou começar a tratar desse assunto.
Irmão só lisboeta o seja alfacinha iol , e como dizem por cá .
Me despeço ma paz de Jesus Cristo.