07 junho, 2008

Nasceu uma estrela

NASCIDOS DO AMOR E PARA O AMOR

O escritor José Saramago, prémio Nobel da Literatura, ateu confesso, a propósito do seu último livro, confessou uma verdade essencial do Evangelho, numa entrevista concedida à revista Visão (3.1 1.2205): "A única resposta para a morte é o amor".
Como gostaríamos que o autor em causa e cada um de nós considerasse todas as implicações espirituais que esta afirmação condensa, e que só são efectivamente verdade no amor absoluto e incondicional de Deus para connosco.
Todo o Evangelho gira em torno do amor. A Bíblia revela-nos que Deus é amor e esse amor é santo e justo. O atributo divino, a essência da natureza de Deus, é em suma o ambiente, a envolvente, a interioridade, o ar, o paraíso, o jardim, para o qual fomos destinados. Desfrutar na plenitude do amor do Criador e nós mesmos partilharmos e expressarmos esse amor para com Ele e uns para com os outros, é a finalidade primeira de todos os seres humanos.
O Deus que a Si mesmo se revela na Bíblia é um Deus trino. A relação existente entre as três pessoas da Trindade é o amor absoluto e infinito. É nesse amor e para esse amor que nós fomos criados. Existem teólogos que salientam que a essência amorosa de Deus implica que Ele seja uma unidade plural. Só há expressão de amor onde existe mais do que um. O amor implica partilha.
Deus nos criou à Sua imagem e semelhança. Os teólogos da Idade Média referiam-se a esta realidade como a Imago Dei. Podemos dizer de alguma forma que a intenção de Deus era que cada uma das Suas criaturas fosse conhecida pelo amor, pela justiça e pela santidade.
AS RAÍZES DA MORTE
O pecado rompeu a relação com Deus. corrompeu a identidade assente nesses atributos e gerou a morte. O homem e a mulher não foram criados para viver em função e a partir da ciência do bem e do mal, para terem que decidir em cada momento o que fazer, nem para decidirem sobre o que na sua opinião é o certo e o errado. A partir do momento em que tal aconteceu a morte espiritual, emocional, afectiva, intelectual e biológica foi introduzida.
Quando o livro inventado das previsões a que o escritor português faz referência diz que "saberemos cada vez menos o que é um ser humano", a verdade é que o homem não cabe dentro de uma definição científica ou filosófica, artística ou literária, política ou social, psicológica ou cultural. Quanto mais o homem persiste na ideia de que veio do nada, de que é apenas um amontoado de elementos químicos, que é um produto do meio, mais se distancia da sua identidade original. A identidade do homem não pode ser encontrada no código genético, na combinação de elementos químicos. O homem foi criado para "ser amor", para partilhar com Deus da Sua essência de amor. É no amor que o homem se percebe.
REDIMIDOS PELO AMOR
O amor humano é um vislumbre, um sinal, uma pista, um lembrete da fonte inesgotável e permanente do amor divino para o qual fomos criados, no qual encontramos o desígnio da nossa existência e o fundamento da nossa essência perdida. Mas o amor humano é impotente face à morte. Pode quando muito adiá-la ou atenuá-la através da memória, da lembrança, da recordação. Esta eventualidade contudo não satisfaz, não responde aos anseios, às aspirações do homem. Rir da morte também não muda a realidade. Como também não é remédio filosofar ou fazer de conta que ela não está

até à cruz. Na cruz o amor venceu definitivamente a morte espiritual e a morte afectiva, emocional, intelectual e biológica. A ressurreição de Cristo é a garantia da nossa nova vida presente, futura e eterna. Ele ressuscitou - nós, ressuscitamos também.
O Evangelho tem como centro a declaração do amor de Deus por toda a humanidade expresso nestes termos bem singelos: "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigénito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna." (João 3.1 6).
NASCEU UMA ESTRELA
Há dois mil anos atrás nasceu uma estrela na densa noite da história da queda. Essa estrela trouxe esperança, possibilidade certa de ser diferente, de ter de volta um coração novo, cheio do amor genuíno e autêntico. Nada há melhor na vida do que desfrutar do amor divino, de sabermos e experi¬mentarmos o amor que Deus nos tem.
A Europa viveu no último mês em França alguns sinais preocupantes que têm certamente contornos sociais, políticos, económicos e culturais. Não duvidamos que o modelo global de desenvolvimento acarreta uma forte exclusão. Uma sociedade assente na produção, no ter, no lucro, na

riqueza, na competição será uma sociedade a caminhar para o abismo. A tecnologia não é tudo. O homem não é uma máquina.
Para nós a questão começa na sua raiz espiritual. Pessoalmente consideramos que estamos a aproximarmo-nos rapidamente de dias em que os pressupostos materialistas, naturalistas e humanistas redundarão em conflitos que dificilmente serão sustidos à escala planetária. O homem não é o critério nem a medida de todas as coisas. O homem não se basta a si mesmo. Sem Deus e à parte de Deus o homem está perdido. A Bíblia afirma-o em termos individuais e a história já o demonstrou e ainda o demonstrará mais a nível social. Não se pode construir uma sociedade justa ignorando Deus e sem o Seu temor. A justiça está a soçobrar. O relativismo moral há-de demonstrar toda a sua inconsistência. Só em Deus encontramos o fundamento sólido do amor, da justiça, da liberdade, do respeito pela dignidade da vida humana.
Dá guarida à estrela que despontou há dois anos atrás. Abre a tua vida ao seu fulgor. Acolhe o seu brilho na tua vida. Invoca a Jesus como Teu Salvador e Senhor. Salva-te desta geração perversa



Autor do texto bíblico

Samuel Pinheiro

1 comentário:

ѕιмρℓєѕмєитє_ℓσℓу disse...

Oi gente, que saudades de vocês!!!É eu sei que estou em dívida com vocês dos spaces, mas não estou conseguindo dar conta ainda do recado...ando muito atarefada...

Então me desculpem se sumi dos seus cantinhos ou estou demorando a responder aos comentários ok? É por motivos de força maior...
hoje estou passando rapidinho só para lhe desejar uma ótima semana, que as mais ricas bênçãos do Senhor Jesus sejam sobre a sua vida e de toda a sua família.
Deixo também um verso da Palavra de Deus para você meditar:
(Salmos 18:2) - O SENHOR é o meu rochedo, e o meu lugar forte,
e o meu libertador; o meu Deus, a minha fortaleza, em quem confio;
o meu escudo, a força da minha salvação, e o meu alto refúgio."
BJS MIL
LOLY