16 junho, 2008

MANIFESTAÇÃO) ANGÉLICA

NA NATIVIDADE DE JESUS CRISTO


Por motivo de força maior não tivermos hipótese de redigir o artigo habitual ] relacionado com o tema antológico que deveria ser publicado no mi Maio. Recorde-se que no número Abril, reproduzimos nesta secção revista o trecho do Evangelho de I 1:26-38, com uma sucinta aprecia da lavra do conhecido pregador Graham, extraída de um dos seus Livros. Nessa narrativa bíblica o anjo Gabriel dá conhecimento a Maria que ela escolhida por Deus para ser mais Jesus, mediante a acção miraculosa Espírito Santo.
O CONHECIMENTO É NATURAL PARA QUEM TEM CONTACTO COM DEUS.
AQUELE QUETEM COMUNHÃO COM DEUS NÃO PRECISA DE ARGUMENTOS QUE LHE SUSTENTEM A FÉ.
ANJO NUM SONHO ELUCIDA O NOIVO DE MARU Agora transcrevamos o texto do Evangelho Mateus, capítulo 1 e versículos 18 a 25, o qual descreve o nascimento do Salvador da humanidade: "O: nascimento de Jesus Cristo foi assim: Estando sua mãe, desposada com José, antes de se ajunta achou-se ter concebido do Espírito Santo. Então J seu marido, como era justo, e a não queria infamar intentou deixá-la secretamente. E, projectai ele isto, eis que em sonho lhe apareceu um anjo Senhor, dizendo: José, filho de David, não ter receber Maria tua mulher, porque o que nela e gerado é do Espírito Santo; e dará à luz um filho chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvação < seu povo dos seus pecados. Tudo isto aconteceu que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor pelo profeta, que diz: Eis que a virgem concebi e dará à luz um filho, e chamá-lo-ão pelo nome EMANUEL, que traduzido é: Deus connosco. E JOSÉ despertando do sonho, fez como o anjo do Senhor li ordenara, e recebeu a sua mulher; e não a conheço até que deu à luz seu filho, o primogénito, e pôs-11 por nome JESUS."

A fim de os leitores entenderem de modo mais claro a descrição das Escrituras (Mateus 1:18-25) na versão Almeida, apresentamos a transcrição parcial do sobredito trecho, mas noutra versão e em português corrente. Saliente-se que João Ferreira de Almeida, ministro evangélico (século 17), foi o primeiro tradutor da Bíblia no idioma português. Note-se como estão traduzidos os versetos 18,19,20,24 e 25: "Quanto a Jesus Cristo, a sua origem foi assim: Maria, sua mãe, tinha o casamento tratado com José; mas, antes de se casarem, achou-se grávida pelo poder do Espírito Santo. José, seu noivo, homem justo, não a queria acusar publicamente. Por isso pensou deixá-la sem dizer nada. Andava ele a pensar nisto, quando lhe apareceu num sonho um anjo de Deus e lhe disse: 'José, descendente de David, não tenhas medo de casar com Maria, pois o que nela se gerou foi pelo poder do Espírito Santo (...).' Quando José acordou, fez como o anjo lhe tinha mandado: recebeu Maria por esposa e, sem ter relações conjugais com ela, Maria deu à luz o menino, a quem José pôs o nome de Jesus" (Bíblia Sagrada em português corrente).'
Como José ignorava a gravidez da sua noiva devido a um milagre de Deus, pensou que ela lhe fora infiel, resolvendo deixá-la de forma discreta. Na nota de rodapé da Bíblia de Estudo NVI, consta o seguinte a respeito de Mateus 1:18: "Não havia relações sexuais durante o noivado judaico, mas era um relacionamento muito mais definitivo do que o noivado de hoje, só podendo ser rompido mediante o divórcio (cf. v. 19). [A expressão relativa a José: "intentou deixá-la secretamente", na tradução Almeida, corresponde na Nova Versão Internacional: "pretendia anular o casamento secretamente"]. Em Deuteronómio 22:24, uma mulher prometida em casamento é chamada 'moça, embora o versículo anterior se refira a ela como 'prometida em casamento'. Mateus emprega os termos 'marido' (v. 19) e esposa' (v. 24) em referência a José e a Maria antes de se casarem."2
A respeito da mudança de propósito de José para com a noiva, após o sonho angelical, escreve Russell Champlin, no Io volume da sua erudita obra O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo: "A crença nos anjos e no mundo dos espíritos, comum nos dias de José, faria com que ele recebesse a personalidade celeste e sua mensagem sem hesitação; ainda assim, deve ter sido um acto real de fé, uma amostra do carácter de José, porque o nascimento virginal era desconhecido, apesar de certos mitos. Não é provável que a mente de José estivesse preparada pelo estudo ou por outra coisa para receber tal mensagem. Sua fé, porém, foi imediata e vigorosa (...). Nota-se que a mensagem que realmente vem de Deus não deixa dúvidas por parte de quem a recebe. É possível que muitos não estejam preparados para receber uma mensagem de Deus. O conhecimento é natural para quem tem contacto com Deus. José deixou de lado as dúvidas, teve conhecimento perfeito; por isso é que apressou-se a fazer a vontade de Deus. Tal experiência também devemos procurar. Devemos testar se o contacto com Deus é verdadeiro e possível. Aquele que tem comunhão com Deus não precisa de argumentos que lhe sustentem a fé. Essa é uma lição que não podemos ensinar - só podemos experimentá-la." 3
DANIEL É AJUDADO PELO ANJO GABRIEL
Como escrevemos nos últimos números de Novas de Alegria, Gabriel veio do céu a fim de anunciar a Zacarias que sua estéril esposa daria à luz um filho de nome João. Algum tempo depois, esse anjo comunicou a uma jovem noiva, Maria, que miraculosamente seria mãe do Senhor e Salvador Jesus. À luz das Escrituras Sagradas, diga-se algo mais acerca do referido mensageiro celeste. Concomitantemente ponderaremos em aspectos importantes da vida ético -espiritual de Daniel, grande homem de Deus (talvez em Julho), até porque o mesmo esteve relacionado com sonhos proféticos e impressionantes visões nas quais apareceu o anjo Gabriel.
O nome Gabriel "provém da raiz geber ('homem' ou 'forte') juntamente com 'el (Deus)". Isto sugere dois sentidos: homem de Deus ou Deus é forte. No Antigo Testamento [o aludido ser angélico] aparece apenas [no livro de] Daniel, e ali como mensageiro celestial que surge na forma de um homem (Dn 8:16; 9:21). Suas funções são revelar o futuro ao interpretar uma visão (Dn 8:17), e dar entendimento e sabedoria ao próprio Daniel (Dn 9:26).4
Bily Graham opina no seu livro sobre angelografia: "Muito antes do tempo de Zacarias, Isabel, Maria, José e João Baptista, o anjo Gabriel tinha dado testemunho do Evangelho ao profeta Daniel. Tinha-o feito em relação com a profecia das setenta semanas, Daniel estava em profunda oração, confessando seu pecado e o do seu povo. Enquanto estava a orar, apareceu-lhe Gabriel. Repara uma vez mais que Gabriel não pregou a palavra salvação, mas deu um testemunho eloquente a respeito dela. Explicou que as setenta semanas foram determinadas 'para extinguir a transgressão, e dar fim aos pecados, e para expiar a iniquidade' (Dn 9:24). Depois predisse a morte do Messias, um evento que Isaías 53 tinha profetizado e descrito dum modo impressionante.
"Os judeus tinham dificuldades em aceitar a noção dum Messias sofredor, procurando antes descrevê-lo como alguém que vinha com poder e glória para derrubar os Seus inimigos e dominar triunfalmente sobre eles. Mas Gabriel disse a Daniel que o pecado era uma realidade e acarretava sérias consequências. O Messias pagaria o preço do pecado, sendo morto. Isto é, Ele morreria pelos pecados dos homens. Então findaria o poder do pecado para nos separar de Deus, e os homens seriam reconciliados com Ele. Vemos que apesar de Gabriel não poder pregar, podia profetizar! E que maravilhoso é ver como as profecias do Velho Testamento se entrelaçam com o seu cumprimento no Novo Testamento. Que misericordioso foi Deus em usar os Seus anjos como agentes para tornar claro a todos quantos visitaram através dos tempos, que a sua função era testemunhar do Evangelho." 3
No início deste artigo transcrevemos a narrativa de Mateus 1:18-25, onde um ser angélico aparece num sonho a José, esclarecendo-o que a gravidez da sua noiva era meramente fruto de milagre divino. Nesse sonho, o anjo disse que o nome do menino chamar-se-ia Jesus, pois salvaria "o Seu povo dos seus pecados"
Ficamos por aqui. Permitindo o Senhor, continua¬remos no próximo número a desenvolver a questão do surgimento do anjo Gabriel, em visão, ao profeta Daniel, alguns séculos antes de Cristo. E como dissemos noutra parte deste artigo, reflectiremos não só no ministério do
anjo, como também na pessoa de Daniel, sem dúvida um fiel e dedicado servo de Deus.

Nota --- Difusora Bíblica (Franciscanos Capuchinhos), Edição: 1993, Lisboa, Portugal.
2Edição: 2003, Editora Vida. São Paulo, Brasil; pp. 1614-1615.
3Ia Edição: 1980, MILENIUM Distribuidora Cultural Lda São Paulo, Brasil; pp. 273, 277.
4Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento, Vol. 1. Editor Geral: Colin Brown. 1* Edição: 1981. Edições Vida Nova, São Paulo, Brasil; p. 228.
3 Anjos: Agentes Secretos de Deus, Ia Edição: 1979. NÚCLEO, Queluz, Portugal; pp. 144,145.

Autor do Artigo;

Pr, Fernando Martinez

5 comentários:

Marlene Maravilha disse...

Realmente aquele que tem o Espírito Santo habitando dentro de si, nao necessita mesmo de argumentos que lhe sustentem a fé.
Uma linda semana na presenca de Deus!
abracos

Isabel Romão disse...

Olá irmão Pedro, obrigada por me add. Eu não o conheço, mas vi aqui que é da igreja de Sacavém, eu sou da Cova da Piedade. Quando quiser visitar meus blogs é muito bem vindo, eu vou visitar o seu. Abraço.

pedro aurelio disse...

paz do sr .
Querida irmã já visitem o seu blog da Mulher virtuosa ta muito bonito .
irmã só de sacavem e quando vi de onde era a irmã fiquei muito contente pk e bom conhecer mais Irmãos em Cristo Jesus .
o Meu endereço de contacto dos meus blog e deusetudoparamim@hotmail.com.
Com os melhores comprimentos
Pedro Aurélio

pedro aurelio disse...

paz do sr .Muito Obrigada por ter aceite a troca de link . Vou tratar de por o seu link no meu blog .

Mulher Virtuosa disse...

Ir. Pedro já lhe mandei duas vezes o código do rádio, mas volta para trás, porque a caixa de correio está cheia e não suporta o tamanho do e-mail. Quando libertar a caixa diga-me. ok?